• estante virtual
  • facebook
  • instagram
  • youtube
Humana

Agenda cultural / PRÉ-VENDA | Félix: uma vida nômade poética pelas Américas

PRÉ-VENDA [clique aqui]

Existem histórias que quase ficam de fora da História. É o caso de Félix Peyrallo Carbajal (1913 – 2005). Poeta, andarilho, filósofo, professor, construtor de relógios de sol, vanguardista, amigo de artistas e pensadores, conferencista, boêmio… Félix se ocupou em andar e promover encontros ao longo de seus quase cem anos de vida, deixando esparsos vestígios de sua história, agora reunidos pelo historiador e professor Ricardo Machado.

“Quem foi Félix Peyrallo Carbajal? Se para a maioria das biografias essa é uma pergunta relativamente simples, no caso de Félix, as respostas são sempre provisórias, deslocando-se ao compasso de uma vida que se fez em movimento. Félix se entregou à procura por viver a vida como obra de arte. Essa entrega fez com que muito cedo saísse de casa em uma viagem radical sem retorno, atravessando desertos, enfrentando abismos, promovendo encontros poéticos e encantando pessoas em diferentes lugares do mundo”, escreve o autor.

Félix levou uma existência nômade em pleno século XX por um território que inclui o Uruguai como local de nascimento e o Brasil como sepulcro. Entre um e outro, Espanha, França, Cuba, Argentina, Paraguai, México. Em sua passagem por estes lugares, realizava conferências sobre temas diversos como poesia, filosofia e matemática. Além disso, em diversas cidades deixou construído um relógio de sol, muitos deles aqui no Brasil.

Durante suas andanças, Félix se encontrou com figuras importantes da cena artística e intelectual latino-americana, como Eduardo Galeano, Carilda Oliver Labra, Pedro Garfias, Rubén Darío e Manuel Bandeira que, por sinal, deixou registrado em uma crônica suas impressões sobre o encontro:

“Ao perguntar quando chegou ao Rio de Janeiro, ele responde que foi no dia anterior; quanto tempo pretendia demorar na cidade, respondeu que não sabia; do que vivia na ocasião, respondeu que vivia de mendicância. E assim o estranho visitante de Bandeira diz ter sido por toda parte por onde esteve: quando tem fome pede comida, quando tem sono pede uma cama e, se não descobrir um lugar para pouso, passa a noite inteira caminhando, pois é capaz de caminhar 25 quilômetros sem sentir fadiga. Comer e dormir não são problemas, os problemas da vida são outros.” (Ricardo Machado)


Conheça o livro:

Assista ao curta de Joel Zanette, com Ricardo Machado falando sobre Félix Peyrallo Carbajal.


Resenha:

Félix, por Ana Lilia Félix Pichardo*

Félix foi um daqueles homens feitos de fragmentos de histórias, que só puderam existir no século XX. Para sua sorte e infortúnio, Félix nasceu no sul do continente americano, mas sua pátria foi a poesia e se dedicou a fazer de sua vida uma viagem sem retornos. Peyrallo foi filho do modernismo de Rubén Darío e fez de sua vida uma espécie de poética da viagem e do tempo, razão de não ser simples acompanhar os seus caminhos pelos lugares onde deram suas conferências ou onde construiu seus relógios de sol. Ligado aos exilados espanhóis no México e esteticamente próximo dos artistas da geração de 1927, Félix chegou a Cuba pré-revolucionária buscando poesia e encontrou com Carilda Oliver Labra. Provavelmente esse vínculo com a poeta seja uma das fontes mais precisas de que Félix passou por Matanzas, deixando pegadas de sua existência.

O livro de Ricardo Machado pode ser lido como uma cartografia, um caderno de viagem ou como um quebra-cabeças. Não somente representa um valioso documento que recorre a vestígios da vida de Félix em suas andanças pela América Latina, como também produz um desenho na forma de um mapa-texto. A pesquisa do autor representa a perfeita analogia do que foi peregrinarem nômade e poética de Peyrallo, sua relação com a literatura e com o campo literário em diversos países, assim como sua vida boêmia sem porto seguro. O resultado é um livro que se vive como uma viagem, cujo mapa são os vestígios que Ricardo encontra do caminho de Félix, para nos aproximarmos do enigma de sua existência, ainda que a resposta esteja na mão do leitor ou da leitora.

Quem foi Félix Peyrallo Carbajal?

Provavelmente não há uma resposta única.  O que temos diante de nossos olhos e mãos é um quebra-cabeça aberto a qualquer possibilidade que o leitor ou leitora decida. Este livro se abre como um palimpsesto, talvez porque a vida de Félix foi uma série de camadas narrativas empilhadas uma sobre as outras; porém produz o deleite da leitora cavar até onde fique satisfeita sua curiosidade por saber quem foi Félix e como essa vida fragmentada pode ser um espelho de nossos dias.

* Ana Lilia Félix Pichardo Fresnillo Zac, México. Licenciada em Letras, mestra em Ciência Política, com interesse em Literatura latino-americana, política e literatura, literatura escrita por mulheres e movimentos sociais. Sobretudo, se considera leitora e aprendiz da arte literária.


Lançamento

No dia 29 de abril de 2021, às 19h45, no canal da Humana Sebo e Livraria no Youtube, ocorre o lançamento com a presença do autor, Ricardo Machado. A mediação será de Fernando Boppré que terá a participação especial da professora e historiadora Maria Bernardete Ramos Flores (UFSC), de Ana Lilia Félix Pichardo (que falará diretamente do México) e de Paulo Acácio Soares.

O lançamento integra a programação do Seminário “Vanguardas do entreguerras e desdobramentos contemporâneos”, realizado por pesquisadores(as) que se articulam em torno do Projeto de Pesquisa Acervos e Arquivos Artísticos em Santa Catarina, Implicações e Conexões, do Centro de Artes (CEART) da UDESC.


Ficha técnica

Título: Félix
Autor: Ricardo Machado
Editora: Humana
Ano: 2021 (lançamento: 29 de abril de 2021)
Idioma: português/espanhol
ISBN-10: 978-65-99-22-33-1-0
Projeto gráfico e editoração: Aline Assumpção
Revisão: Joseana Stringini (português); Ana Lilia Félix Pichardo (espanhol)
Coordenação editorial: Fernando Boppré


>>> O preço de capa de “Félix” é R$ 79,90.
>>> Aproveite a pré-venda, adquira por R$ 69,90.
>>> Valor do frete (Correios) R$ 9,90.

>>> Envios a partir de 3 de maio de 2021.