Humana

Agenda cultural / Édipo na Colônia

Título: Édipo na Colônia
Autores: Gustavo Matte; Paulo Damin
Capa, projeto gráfico e editoração: Cassiano Mignoni
Revisão: Gustavo Matte
Coordenação editorial: Fernando Boppré
Coordenação da coleção Ensaios Urgentes: Cassiano Mignoni e Ricardo Machado
Lançamento: 15 de julho de 2023
Páginas: 118
Peso: 250g
Dimensões: 14 x 21 x 1cm
ISBN: 978-65-992233-7-2
Preço de capa: R$ 35,00 [para adquirir o livro, clique aqui]


Sinopse

Édipo na Colônia é um ensaio resultante da troca de correspondência entre os pesquisadores e escritores Gustavo Matte e Paulo Damin, estreia da coleção Ensaios Urgentes, da Editora Humana. Uma Investigação reflexiva que identifica e busca interpretar a existência de uma espécie de “província cultural” constituída pela Serra e o Noroeste gaúchos, o Oeste Catarinense e outras zonas do Sul brasileiro que tiveram a colonização de italianos e alemães como marca em sua constituição social e cultural nos séculos 19 e 20.

A reflexão inicia-se a partir de um questionamento singelo, mas de grande potência explicativa: “por que”, perguntam-se os escritores, “Caxias do Sul, apesar de ser uma cidade relativamente grande (a segunda maior do Rio Grande Sul), possui ligações tão fortes com o mundo rural e traços bem menos cosmopolitas que outras cidades muito menores do que ela? O que teria ocorrido na história de sua formação para que se organizasse em códigos tão fechados e conservadores?”.

A partir disso, então, Gustavo Matte e Paulo Damin dialogam sobre a formação cultural de Caxias do Sul e de Chapecó, relacionando-as a outras regiões de colonização italiana e/ou alemã do Sul. São apresentadas semelhanças e diferenças que marcam o trânsito dos colonos, geração após geração, no sentido Sul-Norte, com suas perspectivas, imaginários e produções literárias e culturais que, apesar da pertença a uma tradição comum, manifestam-se em formas e possuem sentidos muito distintos.

Aventurando-se pelas duas margens do rio Uruguai, na região das Missões e por sobre as águas em direção a Chapecó, este ensaio propõe um breve passeio que, entretanto, não se limita à retomada histórica das expressões artísticas dos imigrantes, mas sobretudo às produções de seus descendentes urbanos das últimas décadas e as possibilidades contemporâneas que se apresentam com grande latência.


Sobre o lançamento

Em Chapecó, o lançamento ocorreu no dia 15 de julho de 2023, sábado, às 16h, no Café Brasiliano, ao lado da Humana Sebo e Livraria, com a participação presencial de Gustavo Matte e virtual de Paulo Damin, além das presenças de Cassiano Mignoni e Ricardo Machado, coordenadores da coleção Ensaios Urgentes. No dia 9 de agosto, foi a vez do lançamento na cidade de Caxias do Sul, no Zarabatana Café situado no Centro de Cultura Ordovás.

O lançamento foi transmitido via Youtube e pode ser assistido clicando aqui.


Sobre os autores

Gustavo Matte (Chapecó, SC) é escritor, professor, crítico cultural e doutor em Teoria da Literatura pela PUCRS, com pesquisa sobre a canção popular e outros fenômenos recentes da cultura brasileira. Coordena e produz conteúdo para o canal Cultura Contracultura no Youtube, é autor do ensaio “Menos Tropical Ainda” (Humana, 2021) e do romance “Nuvem Colona” (Caiaponte, 2019), ambos a respeito das culturas urbanas e jovens da Província Colona.

Paulo Damin (Caxias do Sul, RS) é escritor e tradutor. Tem doutorado em Letras pela UFSC. Organiza o Grupo Órbita Literária, em Caxias, além de escrever crônicas para o portal silvanatoazza.com.br e realizar mensalmente o programa Charla Literária, no canal de Youtube Cultura Contracultura, junto com Gustavo Matte e Augusto Quenard. Tem dois romances publicados: “Estudo de Causo” (Penalux, 2015) e “Adriano Chupim” (Martins Livreiro, 2021).


Saiba o que já foi dito sobre o livro

Crítica:
Leia aqui o texto de Luís Augusto Fischer (professor de Literatura Brasileira e do Programação de Pós-Graduação em Letras da UFRGS), no GZH de 08 de agosto de 2023.

Crítica:
Leia aqui o texto de Lucio Carvalho sobre o livro Édipo na Colônia, publicado em 06 de agosto de 2023.


Coleção Ensaios Urgentes

Com estes Ensaios Urgentes, queremos fazer do desvio, um método. Nesta coleção acreditamos em narrativas distintas das formas sistemáticas, lineares, com princípios e fins indiscutíveis, certos. Nos interessam textos que sejam aberturas, que arejem nossos cômodos ambientes acostumados à mesma tonalidade de penumbra. Estes ensaios são formas de pensar textualmente, como se fosse possível escrever em voz alta, com o público, em um diálogo que se abre para outros infinitamente. Por isso, carrega consigo a ideia de urgência. Não como algo perene, de consumo momentâneo, mas, assim como os encontros, como uma narrativa que expresse o desejo, essa vontade libidinosa de pensar livremente, de trazer à tona aquilo que está aí, mas é opaco. Do desejo que nos mobiliza, mesmo sabendo que haverá falta, reconhecendo a inevitabilidade do fracasso. Mas, ainda assim, sabemos que sempre haverá possibilidade de outros recomeços.

“O ensaio reflete o que é amado e odiado, em vez de conceber o espírito como uma criação a partir do nada, segundo o modelo de uma irrestrita moral do trabalho. Felicidade e jogo são essenciais. Ele não começa com Adão e Eva, mas com aquilo sobre o que deseja falar; diz o que a respeito lhe ocorre e termina onde sente ter cegado ao fim, não onde nada mais resta a dizer: ocupa, desse modo, um luar entre os despropósitos.” (Theodor Adorno. O ensaio como forma. In: Notas de Literatura)