Humana

Editora / Vicente Morelatto: histórias de um autor e seu livro

Título: Vicente Morelatto: histórias de um autor e seu livro
Autor: Fernando Vojniak
Capa, projeto gráfico e editoração: Aline Assumpção
Revisão: Zulma Neves de Amorim Borges
Coordenação da coleção Biografemas: Ricardo Machado
Coordenação editorial: Fernando Boppré
Lançamento: 9 de março de 2022
Páginas: 146
Peso: 180g
Dimensões: 18 x 14 X 1cm
ISBN: 978-65-992233-4-1

Preço de capa: R$ 35,00
Preço com desconto de lançamento: R$ 30,00 (para adquirir clique aqui)


Lançamento de Vicente Morelatto: histórias de um autor e seu livro, de Fernando Vojniak, da Editora Humana, aconteceu no dia 9 de março, às 19h. Para assistir o registro da transmissão, clique aqui.

A live contou com a presença do autor, Fernando Vojniak, mediação de Fernando Boppré e Ricardo Machado. Contaremos ainda, com a participação especial de Carol Passos e Stefani Ceolla, que conversarão conosco sobre o Posfacio Podcast.

O quarto livro da Editora Humana faz parte da Coleção Biografemas que apresenta ensaios biográficos a respeito de artistas, cientistas, filósofos, educadores que, por algum motivo, hoje se encontram esquecidos ou afastados do cânone artístico e intelectual.

Este livro foi um projeto selecionado pelo Prêmio Elisabete Anderle de Apoio à Cultura – Edição 2020, executado com recursos do Governo do Estado de Santa Catarina, por meio da Fundação Catarinense da Cultura.


Sinopse:

Vicente Morelatto, nascido na cidade de Estrela, RS, em 1928, viveu em Santa Catarina, na Linha Bento Gonçalves, comunidade rural de Chapecó, hoje pertencente ao município de Cordilheira Alta. Foi professor primário e escreveu um poema em sextilhas, ao modo da poesia de cordel. O objeto de seu poema: o trágico linchamento de quatro pessoas, ocorrido em outubro de 1950 na então pequena cidade interiorana de Chapecó. O poema História do incêndio da igreja de Chapecó e o linchamento de quatro presos foi publicado no formato de um livreto impresso, um pouco antes de seu falecimento em 9 de março de 1954. O jovem, professor e poeta partiu cedo, antes de completar 26 anos, mas dedicou parte de uma vida breve em favor da corajosa poesia.

Ao ensaiar uma biografia não apenas de Vicente Morelatto, mas também uma biografia de seu livro, Fernando Vojniak discute teorias e metodologias da história, da biografia e da história dos livros, sem deixar de debater a complexidade imposta àqueles que se dedicam a escrever histórias de autor e obra, criador e criatura. Por isso, os leitores também encontrarão aqui uma história da pesquisa e dos encontros do autor com essa complexidade ou com os paradoxos da escrita da história. Ao final, os textos que compõem o livro resultam num conjunto de histórias de um pesquisador e suas pesquisas e de um autor e seu livro apresentadas na forma de um biografema.


Sobre o autor

Fernando Vojniak é Doutor em História pela UFSC e Professor Associado da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó. É autor de “O império das primeiras letras” (Appris, 2019) e organizador das coletâneas “História e linguagens: memoria e política” (Paco, 2015) e “Cultura escrita no Sul do Brasil: estudos de história intelectual e das correspondências” (Argos, 2021), esta última em parceria com Ricardo Machado.


Sobre a coleção Biografemas

A grafia de uma vida é necessariamente o movimento desta vida. Biografemar é reconhecer na própria escrita a impossibilidade do todo, recusando a ilusão biográfica, escapando dos códigos e conexões lineares do gênero biográfico. Significa caminhar na direção do outro sabendo que não há como seguir pegadas de uma vida, sem deixar suas próprias marcas. Inspirado no conceito de biografema forjado por Roland Barthes, a coleção apresenta breves ensaios biográficos a respeito de artistas, cientistas, filósofos, educadores que, por algum motivo, hoje se encontram esquecidos ou afastados do cânone artístico e intelectual. Interessa-nos tomar a vida como um percurso que conecta a produção artística e intelectual de uma época, experiências daqueles viveram e/ou produziram à margem do seu próprio tempo ou em deliberado confronto com os cânones estabelecidos.