• estante virtual
  • facebook
  • instagram
  • youtube
Humana

Loja / Pensamentos

Para adquirir este livro, acesse a página da Humana na Estante Virtual, clicando aqui. No campo “Buscar neste vendedor”, digite “Leopardi”.

Por que ler?

Os Pensamentos de Leopardi apareceram postumamente em 1845, mas já haviam sido escolhidos e organizados por ele mesmo; a eles Leopardi alude em uma carta, pouco antes de sua morte, como sendo um “volume inédito de Pensamentos sobre o caráter dos homens e sua conduta em Sociedade”. Esses Pensamentos foram submetidos a um trabalho de sutil acabamento estilístico, o que os torna de uma clareza cruel, como fossem epígrafes esculpidas no teatro móvel da vida. Percebe-se nestas páginas, escreveu Sergio Solmi, certo caráter de “glacialidade” e, ao mesmo tempo escrupulosa precisão em revelar os mecanismos nas relações sociais e nas mentes dos homens, esses seres “míseros por necessidade, e firmes em acreditar-se míseros por acidente”. Ao lado do grande lírico da desolação e da fabulosa infância, havia em Leopardi um La Bruyère envolto de uma áurea gnóstica, e que em nenhum outro escrito falou com tanta lucidez como nestas anotações.

 

Trechos:

Ao início do livro, Svetlana Aleksiévitch apresenta um capítulo intitulado “Entrevista da autora consigo mesma sobre a história omitida e sobre por que  Tchernóbil desafia a nossa visão de mundo”, em que explica: “Sou testemunha de Tchernóbil. O principal acontecimento do século xx, além das terríveis guerras e revoluções que já marcam essa época. Passaram-se vinte anos desde a catástrofe, mas até hoje me persegue a pergunta: eu sou testemunha do que, do passado ou do futuro? E tão fácil deslizar para a banalidade”.

Trecho do “Monólogo sobre a paisagem lunar”, depoimento fornecido à autora por Evguêni Aleksándrovitch Bróvkin: “De repente eu comecei a ter dúvidas: o que é melhor, lembrar ou esquecer? Fiz essa pergunta aos meus conhecidos. Alguns já tinham esquecido e outros
não queriam lembrar, já que não podemos mudar nada e nem mesmo sair daqui. […] As pessoas em geral acreditavam em cada palavra impressa, embora ninguém publicasse ou falasse a verdade. Por um lado a escondiam; por outro, não a compreendiam de fato […]”

Ficha técnica: